sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Reter o que é Bom - Kamen Rider

Reter o que é Bom - Kamen Rider




O vídeo acima é a música de abertura do tokusatsu (seriado de super-heróis japoneses) Kamen Rider Faiz, de 2003. Acredito que muita gente vai pensar: "puxa, um 'crente' postando coisas de super-heróis japoneses?" ou "'Crente' pode assistir super-heróis japoneses"?
Permitam-me levá-los para 1971, quando as TVs japonesas exibiam o primeiro Kamen Rider (logicamente, com bem menos efeitos especiais e bem mais "defeitos" especiais que o do vídeo). O primeiro Kamen Rider era um ser humano comum que foi submetido a uma operação e a uma lavagem cerebral parcial por uma organização maligna que visava dominar o mundo, para se tornar um ser super-humano. Porém, conseguiu superar o terrível destino de ser uma máquina de matar a serviço do mal e passou a lutar pelo bem da humanidade. Posso facilmente traçar um paralelo entre ele e a minha pessoa, guardando-se as devidas proporções, já que eu não saio por aí enfrentando monstros, pelo menos não literalmente. Os monstros que devemos enfrentar não são visíveis, muitas vezes estão dentro de nós e são mais feios que os da televisão.
Vários dos Kamen Riders mais antigos (e alguns dos mais recentes também) seguiam esta mesma linha, de um ser humano que foi modificado para fazer o mal, mas se vira contra ele e passa a enfrentá-lo.
Os dois primeiros Kamen Riders
É bem verdade que de lá pra cá muita coisa mudou. Nos Kamen Riders "das antigas" a coisa era bem mais light. Raramente ocorriam mortes de inocentes (e mesmo quando ocorriam, não eram mostradas explicitamente), pois sempre que alguém estava em perigo, o herói chegava chutando o traseiro do inimigo e salvava o dia. Em algumas das séries mais recentes, em especial as que foram exibidas a partir do ano 2000, vemos gente morrendo a rodo antes que o vilão seja finalmente exterminado.
Em Kamen Rider Agito, de 2001, por exemplo, o enredo se desenvolve revelando dois seres idênticos em aparência, porém de natureza oposta e de incrível poder, sendo um deles vestido de branco e outro de preto. Um deles (acredito que o de preto, não me recordo bem) é dado a entender ser "Deus" na história, um deus que não quer que seres humanos tenham ou utilizem poderes paranormais, e portanto sai mandando seus emissários para exterminar tais pessoas. O outro ser, o oposto desse deus, por outro lado, se manifesta em alguns homens (os que são chamados de Kamen Riders nesta história), e os capacita a enfrentar e vencer esses seres enviados para assassinar os humanos com poderes paranormais.
Ora, sabemos que o uso de poderes paranormais de qualquer espécie é condenado pelo Criador (que muitos de vocês devem conhecer como Deus, mas que não chamo por este nome pelos motivos descritos na postagem anterior), mas nem por isso Ele sai assassinando os que o fazem. Quanto ao opositor dele (que sabemos muito bem quem é) capacitar pessoas a lutar contra ele, e se colocar como o "bem" na história, nem se fala... É por isso que, embora tenha assistido toda a série Kamen Rider Agito, não concordo com a mensagem passada por ela, e nem deixaria que um filho meu a assistisse.
Em Kamen Rider Den-O, de 2007, o herói da história viaja em um trem através do tempo para impedir que seres mal-intencionados alterem o passado e, consequentemente, o presente e o futuro. Até aí tudo bem, o problema é a maneira que ele ganha os poderes necessários para enfrentar tais vilões. Quatro seres extra-dimensionais (mesma origem dos vilões que ele enfrenta, só que "bonzinhos"), se revezam, de acordo com a necessidade, algumas vezes mais de um ao mesmo tempo, possuindo o protagonista e capacitando-o a combater os inimigos. Não sei quanto a vocês, mas, novamente, deixar que um filho meu pense que "seres extra-dimensionais" são bonzinhos e dão superpoderes a quem se deixar possuir por eles é algo que eu não faria...
Ainda da nova safra de Kamen Riders, temos Kamen Rider OOO, que terminou de ser exibido recentemente. Mensagens subliminares (OOO=666?) e referências ao antigo Egito (cultura conhecidamente pagã) à parte, temos um enredo no qual a cobiça humana por fama, poder, dinheiro e bens materiais, quando exagerada, cria monstros incontroláveis, que são detidos pelo protagonista, um rapaz com um raro desapego de bens materiais (um andarilho que não carrega nada mais que uma cueca extra para usar no dia seguinte) e vontade de ajudar as pessoas.
Entendem o que quero dizer com reter o que é bom? Bom senso na hora de ver quanto daquilo serve pra edificação da sua vida e da de outras pessoas faz toda a diferença.
Ah, sim... No Kamen Rider cuja canção de abertura temos no vídeo acima, muita gente tem o coração pulverizado pelos vilões da série, virando areia logo depois. A forma de morte mais brutal da qual consigo me lembrar no momento em toda a história dos Kamen Riders. O motivo de eu tê-la postado aqui? A letra, que se parece em muito com o que se passava em minha mente quando comecei a pesquisar a respeito dos mistérios deste mundo, no começo desse ano... Segue a letra, em português.


Neste universo sempre em expansão, você consegue sentir?
Vamos contar a história deste planetinha
Diga-me a verdade, o futuro no qual acreditei
está desmoronando?

A tristeza, ela se repete uma vez após outra
Para onde estamos indo?

Agora mesmo, no coração de cada um
O despertar: "é hora de ir"
Para se tornar mais forte
Mais uma vez, na hora de escolher entre proteger e lutar
O dilema não terminará mesmo que você fuja
O fim justifica os meios?

Seja realista, este céu de amanhã
Pode não ser para sempre, quem sabe?
Novamente, enviando a mensagem:
"A contagem regressiva começou."

Tenho certeza de que há algo faltando
Há algo que ainda precisamos fazer

Agora mesmo, no coração de cada um
Abra os olhos para o caminho que você segue
Procure a verdade
Não importa se você acredita ou dúvida
O dilema é um ciclo interminável
O fim justifica os meios?

Nenhum comentário:

Postar um comentário